Casamentos Babies & Kids 15 anos

Blog

Exibindo página 5 de 534

Navegue como ou

Você sabe o que são alimentos in natura, processados e ultraprocessados?

Quem é antenado nas novidades do mundo da nutrição já sabe que a recomendação é sempre dar preferência a comida de verdade, com alimentos naturais e sem exagero no consumo dos ultraprocessados. Mas afinal, o que é comida de verdade? A resposta pode parecer óbvia, mas na hora H, sempre gera uma ou outra dúvida.

O Guia Alimentar para a População Brasileira classifica os alimentos por grau de processamento pelo qual ele foi submetido. São eles: alimentos in natura, minimamente processados, processados e ultraprocessados. Infelizmente, os alimentos ultraprocessados ganharam espaço na mesa do consumidor brasileiro, já que, com a correria do dia a dia, as famílias passam a comprar produtos prontos que não requerem tanto trabalho.

Uma pesquisa revela que o padrão de consumo alimentar do brasileiro tem mudado ao longo do tempo. Alimentos como arroz, feijão, mandioca, legumes, óleo, sal e açúcar foram substituídos por produtos industrializados com rótulos diet ou light, sem glúten, sem lactose, etc.

(Foto: Reprodução)

Agora, vamos voltar para a classificação:

Alimentos in Natura e Minimamente processados: devem ser a base da nossa alimentação. In natura são aqueles que foram obtidos direto da natureza como frutas, legumes, verduras, tubérculos e ovos.

Minimamente processados: passaram por pequenas intervenções antes de chegarem ao consumidor, mas não receberam nenhum outro ingrediente no processo (nada de aditivos, adoçantes, açúcar, sal, gorduras). São eles: carnes, peixes, frangos, leite, arroz, feijão, especiarias, frutas secas etc.

Processados: são os alimentos in natura que receberam adição de sal, açúcar, óleo ou vinagre. Com objetivo de durabilidade e saber, foram submetido a técnicas como cozimento, secagem, fermentação e métodos de preservação como salga, salmoura, cura e defumação. Entre eles estão os pães, queijos, carnes secas, bacalhau, conservas, enlatados, atum, extratos de tomate.

Ultraprocessados: parecem comida de verdade, mas são somente uma imitação e devem sim ser evitados. São produzidos em fábricas e possuem adição de muitos ingredientes que ninguém tem na cozinha de casa como proteína de soja, extrato de carnes, gordura vegetal, xarope de frutose, espessantes, emulssificantes, corantes, aromatizantes, realçadores de sabor, entre outros. São eles: lasanha congelada, empanados prontos, macarrão instantâneo, molho de tomate pronto, refrigerantes, sucos adoçados de caixinha ou em pó, achocolatado, sopas em pó, temperos prontos, molhos prontos, salgadinhos, biscoito recheado, barrinha de cereal e iogurte com sabor.

Nem sempre é fácil identificar um alimento ultraprocessado, ainda mais quando alguns deles já fazer parte do nosso cotidiano. No entanto, agora você já não tem mais desculpas. Alimente-se bem sempre!

Até a próxima,

Karina

Drª Karina Al Assal é nutricionista graduada pelo Centro Universitário São Camilo, especialista em nutrição clínica pelo Hospital Sírio Libanês, especialista em nutrição clínica funcional pelo Instituto Valéria Paschoal e mestranda em nutrição e cirurgia metabólica do aparelho digestivo pela Faculdade de Medicina de São Paulo.

Veja também: Descubra qual o melhor óleo para usar na cozinha

E mais: Germinação de grãos para agregar valor nutricional à dieta

Pavê de coco com maracujá

Receita de Pavê de coco com maracujá: Dedo de Moça | Foto: Carol Milano

Ingredientes:

Creme Confeiteiro de Coco

– 400ml de leite integral
– 600ml de leite de coco
– 1 e ½ xícara (chá) de açúcar
– 4 colheres (sopa) de manteiga sem sal
– 2 ovos
– 10 gemas
– 8 colheres (sopa) de amido de milho

Calda de Maracujá

– 4 maracujás maduros
– 1 xíc (chá) de açúcar
– 1 xíc (chá) de açúcar
– Merengue
– 6 claras
– 1 ½ xícara (chá) de açúcar
—–
– 1 ½ caixa de bolacha champagne
– 500ml de suco de maracujá
– Coco queimado a gosto

Modo de preparo:

Creme Confeiteiro de Coco

Leve o leite e leite de coco para ferver junto com o açúcar e a manteiga.

Em uma vasilha com o auxílio de um batedor de ovos ou um garfo bata bem as gemas, os ovos, o amido de milho e o restante do açúcar até ficar bem misturado.

Quando o leite começar a ferver coloque duas conchas bem cheias de leite fervente na mistura de ovo e gemas.

Mexa bem para misturar e tome cuidado para que o ovo e as gemas não cozinhem com o leite fervente.

Junte a mistura de gemas e ovo ao leite da panela. Leve ao fogo baixo e cozinhe até que comece a engrossar, mexendo sempre.

Desligue o fogo e reserve. Cubra com um papel filme (encostando no creme para não formar uma película) e guarde na geladeira.

Calda de Maracujá

Leve o maracujá (com sementes) e o açúcar ao fogo.

Cozinhe até formar uma geleia leve. Reserve.

Merengue

Leve as claras e o açúcar ao banho maria (em fogo baixo), mexendo sempre, até o açúcar ficar totalmente dissolvido.

Coloque a mistura na batedeira, com o globo, e bata por 10 minutos

Montagem:

Em uma taça ou refratário de pavê coloque uma camada de creme de coco.

Molhe as bolachas (rapidamente) no suco de maracujá e coloque sobre o creme e cubra com a calda de maracujá.

Continue montando alternando as camadas de creme, bolacha e geleia. Por último cubra com o merengue italiano. Leve o pavê para gelar por, no mínimo, 5 horas.

Para dourar o merengue use o grill do seu forno ou um maçarico. Se não tiver nenhum dos dois, apenas finalize com coco queimado.

 

Rendimento: 12 porções | Tempo de preparo: 1h30

A Dedo de Moça ensina a comer bem em casa. Além das receitas que você encontra aqui, a chef Patricia Abbondanza comanda um time de profissionais que dá aulas para quem quer aprender a cozinhar e oferece consultoria para quem quer montar uma cozinha gourmet.

Veja também: Caipirinha frozen com limonjal

E mais: Mojito Dedo de Moça

Dúplex da arquiteta Daniela Cianciaruso

Daniela Cianciaruso, sócia da Díptico Design de Interiores, decidiu que era hora de mudar. Ao lado do marido e dos dois filhos, a arquiteta adquiriu um dúplex de 250 m², em um prédio assinado por Gui Mattos, em São Paulo.

Com um “quê” de escandinavo, o apartamento manteve o assoalho de madeira clara original, e investiu em uma base neutra e móveis de design para criar um ambiente aconchegante e acolhedor.

No living, os destaques ficam por conta da laje extrudada original do prédio, e o mobiliário assinado de madeira, como as poltronas Oscar de Sergio Rodrigues e o buffet Cercadinho de Paulo Alves. A cozinha integrada ao jantar traz armários verde menta e ilha cooktop.

Revestida com piso metálico pintado de vermelho, a escada dá acesso ao andar inferior do dúplex. Ali é o território das crianças, quarto compartilhado e brinquedoteca.

Para seu quarto, a arquiteta buscou generosa iluminação natural e itens confortáveis e em cores leves. Materiais como o algodão da cabeceira e a camurça das almofadas são algumas das apostas.

(Fotos: Julia Ribeiro)

Veja também: Paixão por azul dita decoração do apartamento de um jovem solteiro

E mais: O lar brasileiro do arquiteto Ricardo Caminada