Casamentos Babies & Kids 15 anos

Navegue como ou

Consulesa da França Alexandra Loras dá dicas para receber bem

Há poucas semanas, conhecemos a consulesa da França Alexandra Loras em uma de suas palestras sobre preconceito e racismo. No final do encontro, ela compartilhou com a gente que recebe, ao longo do ano, 6 mil pessoas na casa consular. Motivo pelo qual ela e o marido, o cônsul Damien Loras, foram eleitos em 2015 pela revista Vogue como os melhores anfitriões. “Sei que para muitas pessoas é um momento único estar em uma casa consular e entrar no mundo diplomático. Para mim, antes de ser consulesa, também era. Por isso, faço questão de que sejam momentos muito especiais e que fiquem na memória de cada um”, resume ela.

Diante disso, não podíamos deixar de pegar dicas valiosas com Alexandra, que nos recebeu com muito carinho em sua casa, em São Paulo, para um longo bate-papo. Vem ver as dicas da consulesa, que faz reiki na comida, compra as próprias flores no Ceagesp e medita minutos antes de abrir a porta!

dicas-para-receber-bem-com-a-consulesa-da-franca-alexandra-loras

O QUE É RECEBER BEM PARA VOCÊ? 

Receber bem vai além de acolher o convidado. Para mim, receber bem é como você pode contribuir para a vida do convidado, e não o que ele pode te agregar de estar na sua casa. Criar pontes entre as pessoas me ajudou muito a ganhar o meu espaço em uma sociedade que eu não fazia parte até então.  Apresentá-las no intuito de uma ajudar a outra. Quando mais você dá, mais você recebe.

VOCÊ FAZ ALGUM TIPO DE PREPARO ANTES? 

Gosto muito de fazer uma meditação de dez minutos para me conectar e limpar um pouco as energias. Existem vários aplicativos de celular que te ajudam, não precisa ser nada específico. É muito importante, quando se é o anfitrião, estar preparada para se conectar com seus convidados. Você será como uma borboleta, não poderá se aprofundar nas conversas, mas será a responsável por agregar valor e apresentar as pessoas. É preciso estar em equilíbrio para sorrir e saber acolher seus convidados.

E JÁ QUE ESTAMOS FALANDO EM ENERGIAS, COMO CRIAR O AMBIENTE PERFEITO? 

Basta pensar nos sentidos. Para começar, sugiro escolher a música que é fundamental e vai dar o tom daquele encontro. Nestes aplicativos, como o Spotify, existem inúmeras playlists prontas e gratuitas para você baixar. Quanto ao ritmo, sugiro lounge, que é agradável, não atrapalha a conversa e já cria um ambiente muito gostoso.

O segundo sentido é a visão. Para não gastar muito, gosto de ir ao Ceagesp, sim sou eu mesma quem vou, e comprar flores brancas. Além do branco ser um símbolo de nobreza e aristocracia, tudo já terá muitas cor e informação, você não precisa incluir mais uma. Junto do verde, ele traz paz, harmonia e boas energias. Gosto de colocar flores em todos os lugares, inclusive no banheiro.

Continuando, chegamos ao olfato. Adoro decorar o ambiente com muitas velas aromáticas, mas de fragrâncias leves. Uma marca que gosto muito é a Diptyque, que são delicadas e o cheiro não é artificial e agressivo. Outra sugestão, um pouco mais econômica, é colocar velas tradicionais e pingar gotinhas de essência sobre elas. E coloque em todos os lugares, principalmente na entrada e no banheiro.

E para finalizar, o paladar. Aqui na casa consular, servimos apenas comidas francesas, mas faço questão que sejam receitas caseiras e tradicionais. Todos os pratos que sirvo, quando não tenho um chef convidado, são do aplicativo Marmiton. Ele é gratuito e reúne milhares de delícias familiares, feitas em 15 minutos e acessíveis.

NA CASA CONSULAR O SERVIÇO É SEMPRE À FRANCESA? 

Sim, sempre à francesa, quando o prato vem montado, ou à inglesa, em que o garçom traz a travessa até você. A mesa é sempre posta. Mas uma curiosidade que vale contar. Na França não temos este sistema de canapé volante que tem aqui no Brasil. Lá só temos buffets de entradinhas, até mesmo no palácio do presidente. Isto, porque custa muito dinheiro contratar garçons.

dicas-para-receber-bem-com-a-consulesa-da-franca-alexandra-loras-1

TEM UM CANTINHO FAVORITO NA SUA CASA EM QUE GOSTA DE RECEBER? 

Basicamente todos acabam preferindo a área externa, que é muito agradável, mas acho importante fazer os convidados circularem pela casa. Então, programo o Welcome Drink em um canto, as entradas em outro ponto e o jantar / música em um terceiro. Esta dica é boa para deixar o encontro dinâmico.

VOCÊ CONSIDERA IMPORTANTE OS ANFITRIÕES ESTAREM SEMPRE NA ENTRADA? 

Pelo menos na primeira hora sim. Além de ser educado e acolhedor, também é muito útil, uma vez que você não conseguirá dar a atenção que cada um merece durante a noite. Estando na porta, você consegue dispensar poucos, mas valiosos minutos exclusivos para aquele convidado.

ALGUMA DICA OU TRUQUE QUE USA QUANDO NÃO CONHECE OS CONVIDADOS? 

Quando os eventos são do meu marido, gosto de pegar a lista de convidados e dar um Google, procurar no Facebook ou outras redes sociais para saber um pouco mais sobre cada um. É delicado ter dois ou três assuntos para se mostrar feliz e interessado com o fato daquela pessoa estar na sua casa. E como todo mundo gosta de falar de si mesmo, não precisam ser temas densos ou profundos.

O QUE FAZER QUANDO CHEGA UM CONVIDADO QUE NÃO CONHECE NINGUÉM? 

Isso é muito comum, mas desenvolvi uma tática ótima. Em todos os eventos, oficiais ou não, convido uns 10 amigos meus para me ajudarem nestes momentos de socializar e receber bem. E por outro lado, gosto de tê-los sempre ao meu lado, isso traz um pouco da minha essência para os eventos.

E ALGUÉM SE HOSPEDA NA CASA CONSULAR? 

Quando são deputados e ministros, todos ficam aqui. A casa consular está sempre pronta para receber até 13 pessoas. Além disso, ela serve como um ponto de encontro / base para os diplomatas franceses, e estas reuniões eu também tenho que orquestrar.

QUAIS AS PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE O BRASIL E A FRANÇA QUANDO O ASSUNTO É RECEBER E MESA POSTA? 

– A primeira coisa é que colocamos os talheres virados, porque normalmente eles trazem as iniciais ou o brasão da família nas costas.
– Para nós, é mal educado não limpar toda a mesa antes de servir o próximo prato. Aqui no Brasil, o garçom “cuida” de um convidado por vez. Então, ele retira o prato da entrada e serve o principal. Na França, são todos retirados ao mesmo tempo, e depois servido o próximo.
– Outra coisa engraçada é retirar o prato de quem terminou enquanto alguém na mesa ainda está comendo. Isto é muito mal educado.
– Uma coisa que amo daqui é montar o buffet com a comida e os convidados se servirem. Na França isto não existe. Lá, o prato vem montado, ou se passam as travessas e os convidados se servem sentados. Acho um pouco ultrapassado ter alguém colocando a comida no seu prato neste serviço à inglesa.
Nunca se fala bom apetite! É o mesmo que dizer: “Que você tenha um bom apetite, porque a dona da casa não fez uma boa comida.” Antigamente, isto servia para reconhecer de que casta aquela pessoa pertencia.

COMO ORGANIZAR OS CONVIDADOS NA MESA? 

Os anfitriões precisam estar sempre nos opostos. Aliás, esta é outra diferença entre o Brasil e a França. Os casais nunca vão ficar juntos, exceto os que estão no primeiro ano de casamento. E o motivo é simples: é uma ótima oportunidade para conhecer, cada um, duas novas pessoas. Não faz sentido sentarem juntos. Feito isso, se intercala homem e mulher. O anfitrião homem terá sempre as duas mulheres mais importantes do jantar ao seu lado, sendo a mais importante à direita. Mas, se for a primeira vez de algum convidado, ele estará sentado à esquerda do dono da casa.

VOCÊ RECOMENDA ALGUMA FORMA DELICADA DE SE AGRADECER PELA RECEPÇÃO?

Gosto muito de escrever uma carta no dia seguinte, que na França se chama Carta de Chatêau. E tem que ser carta, não Whatsapp, nem mesmo e-mail. Você fará a diferença com aquela família.

E PARA FINALIZARMOS, QUAL A DICA MAIS IMPORTANTE QUE VOCÊ PODE DAR?

Há 15 anos, uma amiga me levou em uma festa da elite. Eu estava muito envergonhada, não sabia me portar, queria desaparecer, sumir daquele lugar. Ela, que também não era da elite e de origem muçulmana, de repente andava como se conhecesse a todos, e todos a cumprimentavam , conversavam… Perguntei: “Como você faz isso?” E ela: “É tudo uma questão de postura. Você precisa encontrar o pensamento que vai te empoderar.” Acho que foi a maior lição que aprendi e que deixo aqui para qualquer um que esteja com medo ou se sinta inferior em qualquer ocasião.

(Fotos: Gabriela Dal Moro)

Veja também: 11 dicas para cozinhar para os amigos

E mais:  Tudo o que você precisa saber antes de comprar a mesa do jantar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *